PASTORAL DE CANTO - VOX DEI

Paroquia Santo Antonio do Limao

Santo Antônio, doutor da Igreja

Nascido em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto de 1195. De família nobre e rica, era filho único de Martinho de Bulhões, oficial do exército de Dom Afonso e de Tereza Taveira. Sua formação inicial foi feita pelos cônegos da Catedral de Lisboa. Era conhecido por uma inteligência e memória admiráveis, acompanhadas por grande zelo apostólico e santidade.

Seu nome de batismo era Fernando de Bulhões y Taveira de Azevedo. Aos 19 anos entrou para o Mosteiro de São Vicente dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, contra a vontade de seu pai. Morou lá por 2 anos. Ao longo dos anos, apaixonado pela leitura, Antônio avançou pelos caminhos do estudo e da oração. Mais tarde foi transferido para Coimbra onde permaneceu por 10 anos estudando filosofia e teologia, e depois sendo ordenado sacerdote.

Foi em Coimbra que Santo Antônio conheceu a ordem dos Franciscanos, e não só se encantou pelo testemunho dos freis como também o apresentou para a vida itinerante na santa pobreza. Após pedir para viajar a Marrocos em nome da ordem para pregar o Evangelho, Antônio ficou muito doente e teve de voltar. Ao voltar de viagem foi ao encontro de São Francisco de Assis que o autorizou a ensinar aos frades as ciências que não atrapalhassem os irmãos de viverem o Santo Evangelho.

Frei Antônio tinha uma força irresistível com as palavras e São Francisco o nomeou como o primeiro leitor de Teologia da Ordem. Em seguida, mandou-o estudar teologia para ensinar seus alunos e pregar ainda melhor. Juntavam-se às vezes mais de 30 mil pessoas para ouvi-lo pregar, e muitos milagres aconteciam. Após a morte de São Francisco, ele foi enviado a Roma para apresentar ao Papa a Regra da Ordem de São Francisco.

Santo Antônio morreu em Pádua, na Itália, em 13 de junho de 1231, com 36 anos. Por isso ele é conhecido também como Santo Antônio de Pádua. Tantos milagres aconteceram após sua morte, que onze meses após ele foi beatificado e canonizado. Quando seu corpo foi exumado, sua língua estava intacta e está exposta até hoje na Basílica de Santo Antônio na cidade de Pádua.

Sua canonização foi realizada pelo Papa Gregório IX, na catedral de Espoleto, em 30 de maio de 1232, sendo o processo mais rápido da história da Igreja. Em 1934 foi declarado Padroeiro de Portugal e em 1946 foi proclamado Doutor da Igreja pelo Papa Pio XII.

Milagres Santo Antônio